Com Indicação Geográfica expedida, capacitação visa sustentar padrões de qualidade do mel do Oeste

Formato segue modelos de sucesso seguidos por outros produtos de expressão nacional e internacional
Os mais nobres padrões de qualidade devem tornar o ‘Mel do Oeste’ um produto inigualável no país.
João Vanderlei Eberhart, Noticiar Comunicação
A conquista da Indicação Geográfica (IG), do Mel do Oeste do Paraná leva aos procedimentos técnicos de implantação do processo. Uma capacitação composta por quatro módulos será aplicada aos gestores ligados diretamente à produção e comercialização. Assim como o ‘Vinho do Porto’, o ‘Queijo Canastra’, a Indicação Geográfica concederá o reconhecimento do ‘Mel do Oeste’ ao produto da região.

Os mais nobres padrões de qualidade devem tornar o ‘Mel do Oeste’ um produto inigualável no país. Atualmente são 45 produtores participantes do processo, e que devem obedecer uma série de aproximadamente 100 quesitos exigidos para a identificação de qualidade e procedência. 

A assistência técnica, manuseio cuidadoso do produto, normas sanitárias, mantém a coloração, textura, sabor e propriedades do mais puro mel levado à mesa dos consumidores, segundo o presidente da Cooperativa Agrofamiliar Solidária (Coofamel), Wagner Gazziero. 

Padrões de qualidade

Para manter os altos padrões observados pelos produtores 
que compõe o projeto, o Sebrae capacita os executivos que 
trabalharão o IG do mel no Oeste do Paraná
Produzir com responsabilidade social e ambiental, de acordo com os princípios fitossanitários e de mercado, transmite segurança para quem produz e para quem consome o produto identificado pelas características inigualáveis de clima, florada, posição geográfica e outras peculiaridades, segundo o encarregado de produção da Coofamel, Antônio Schneider.

Para manter os mais altos padrões observados pelos produtores que compõe projeto, é que o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), capacita os executivos que trabalharão o IG do mel no Oeste do Paraná. “O reconhecimento da Indicação Geográfica, expedido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), é um avanço importante à expressão e divulgação do mel”, observa a gerente da Coofamel, Adiles Rech.

A capacitação foi dividida em quatro módulos com duração de uma semana cada um, segundo a gerente. Leis, controle de qualidade, comercialização e outros temas fazem parte do conteúdo programático. 

Além da IG do Mel, outros sete setores para os quais foi concedida a Indicação Geográfica de produtos, participam da capacitação que deve ser encerrada em 2018. 

Conselho Regulador

Todo o trabalho é acompanhado pelo Conselho Regulador do Mel do Oeste do Paraná, composto por entidades públicas e privadas caso da Coofamel, Sebrae, Itaipu Binacional, Cultivando Água Boa (CAB), Fundação Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Cooperativa de Trabalho e Assistência Técnica do Paraná (Biolabore), e Município de Santa Helena.

Conforme o consultor do Sebrae, Emerson Durso, o Conselho busca dar credibilidade ao produto que é oferecido ao mercado.


author

União Agora

Seu Portal de Notícias, Brasil.

Receba atualizações do site por e-mail em sua caixa de entrada!

Postar um comentário

www.CodeNirvana.in

Copyright © UNIÃO AGORA | Notícias | União Agora Portal União Agora