Francisco diz a jovens que não queria ser papa

Da Agência Lusa
Cidade do Vaticano – O papa Francisco admitiu hoje (7) as dificuldades do cargo em Roma, perante milhares de jovens alunos e professores de escolas jesuítas, afirmando que não queria realmente tornar-se o chefe da Igreja Católica. Respondendo à pergunta de uma das crianças, o novo papa, eleito a 13 de março deste ano, explicou em tom informal: “Deus não teria abençoado alguém que quisesse, que tivesse vontade de ser papa. Eu não queria ser papa.”
O ex-arcebispo de Buenos Aires, ele mesmo procedente da ordem dos jesuítas, recebeu hoje mais de 9 mil pessoas, alunos de escolas jesuítas e as respetivas famílias, antigos alunos e professores da Itália e da Albânia, e respondeu, de forma improvisada e com a sua habitual simpatia, às perguntas, muitas vezes diretas e ingênuas, feitas pelas crianças.
Perguntado sobre sua recusa em instalar-se no apartamento pontifical, o papa Francisco respondeu: “Uma vez, um professor colocou-me a mesma questão, e eu lhe disse ‘por motivos psiquiátricos’”. “Para mim, é um problema de personalidade, preciso de viver rodeado de pessoas, não posso viver sozinho.” Sorrindo, ele disse que não seria bom ficar isolado no apartamento pontifical.
A propósito da sua renúncia a alguns benefícios associados ao cargo, Francisco insurgiu-se contra a persistência de grandes injustiças e disse: “Neste mundo que oferece tantas riquezas, tantos recursos, suficientes para alimentar toda a gente, não se compreende que ainda haja tantas crianças esfomeadas, sem educação, tantos pobres.”
Sobre a crise econômica que afeta a Itália, Francisco ressaltou que o momento atual é difícil em todo o mundo e que é preciso saber "ler a crise" que, segundo ele, porque é uma crise do valor dos seres humanos. Citando um relato sobre a construção da Torre de Babel pelos hebreus, o papa destacou que produzir um tijolo era difícil e cada tijolo era um verdadeiro tesouro. "Se um tijolo caísse da torre, era uma tragédia; se um homem caísse, nada acontecia.” Para ele, a crise atual é a crise da pessoa, que já não conta. Só o dinheiro conta.”
Francisco exortou também os cristãos a empenharem-se na política, dizendo é “uma obrigação dos cristãos, que não podem daí lavar as mãos, como [Pôncio] Pilatos”. “A política é a forma mais elevada da caridade, pois ela procura o bem comum”, sustentou o papa Francisco.
author

União Agora

Seu Portal de Notícias, Brasil.

Receba atualizações do site por e-mail em sua caixa de entrada!

www.CodeNirvana.in

Copyright © UNIÃO AGORA | Notícias | União Agora Portal União Agora